Blog

  • Entrevista com Fabrício Carvalho: “Ainda existem muitos jogadores mal instruídos financeiramente”

    fabricio carvalho

    Desde criança na cidade de Andradina, interior de São Paulo, Fabrício Carvalho desejava o mesmo que muitos garotos de sua idade: ser um grande jogador de futebol e ganhar muito dinheiro em sua carreira. Aos 17 anos, Fabrício começou sua trajetória profissional no Andradina Futebol Clube, o que apenas confirmou a sua paixão pelo mundo da bola. Ao mesmo tempo, o atleta sentiu na pele o que é ser um jogador de futebol e enfrentou uma vida financeira recheada de altos e baixos.

  • Gravidez e dinheiro: Oito meses de planejamento financeiro para chegada do seu bebê

    casal gravido 01A maioria das pessoas afirma que precisa de um momento financeiro certo  para “encomendar” um bebê. De certa forma, este pensamento faz algum sentido, afinal, sua vida nunca mais será a mesma e nem a sua carteira. Os bebês são caros, e as despesas começar a aumentar quase imediatamente após a descoberta da gravidez. Desde a primeira visita pré-natal até o dia da formatura da faculdade, os gastos se multiplicam e, talvez, nunca haverá outro evento em sua vida que trará uma mudança tão drástica em suas finanças como a chegada de um filho.

    A ideia não é desestimular as pessoas a terem filhos, mas se a gravidez é uma surpresa para o casal, considere algumas sugestões para obter segurança financeira no momento da chegada do novo membro da sua família. Caso, você seja organizado, tem um orçamento flexível e fez um planejamento financeiro para ter seu filho, também vale a pena conferir dicas para este momento, afinal, você tem oito meses para se preparar, visto que a maioria dos casais descobre a gravidez no primeiro mês.

  • Como se preparar para o desemprego

    Desempregado1O título deste post chamou a sua atenção? Parabéns, provavelmente você ainda está empregado. Isso significa que você tem tempo para colocar os assuntos financeiros em ordem, caso fique desempregado. Este novo status de trabalho pode não ser o pior do mundo se você se preparar financeiramente para esta fase.

    Na maioria das vezes, as pessoas não sabem de antemão quando elas irão perder o emprego. A notícia vem como uma surpresa indesejada que se torna uma calamidade financeira para quem nunca achou que isso iria acontecer.

    Motivos não faltam para você começar a se preparar. A 3ª edição da pesquisa Guia Salarial mostra que o tempo de recolocação no mercado de trabalho aumentou em 2013.  No ano passado, um em cada quatro entrevistados (23%) estava sem emprego entre 4 e 6 meses (em 2012, o percentual era metade: 12,5%). E quase um em cada cinco pessoas (18,8%) estava sem colocação entre 7 e 12 meses (eram 9,8% em 2012).

  • 5 erros financeiros cometidos pelos casais

    ec11Antigamente, a fusão das finanças pós-casamento era bem simples: abrir uma conta conjunta e compartilhar cartões de crédito. Agora, esta questão ficou mais complicada porque ambos trabalham e têm as suas próprias fontes de renda.

    Se você está se perguntando como você pode fundir suas finanças com o seu parceiro da melhor maneira possível, há algumas sugestões no post sobre vida financeira conjugal (clique aqui).

    Obviamente, não há apenas uma resposta correta. Diferentes soluções funcionam para os diversos tipos de casais. Tudo depende de como você e seu novo cônjuge estão financeiramente, quanto você confia na outra parte e como são os gastos e hábitos de poupança do casal.

  • Primeiro emprego: Como se organizar financeiramente?

    trabalhoO primeiro emprego de um jovem é motivo de comemoração para toda a família porque marca uma fase de transição da dependência para independência financeira parcial ou total. O trabalho vem acompanhado de maiores responsabilidades, que os jovens, muitas vezes, não estão muito preocupados.

    Se você está no começo de sua carreira, a ideia é usar seu dinheiro com sabedoria e não adquirir maus hábitos financeiros. Seus primeiros passos na carreira e em suas finanças podem ser cruciais para o caminho do sucesso. Não importa se o seu salário é baixo, o que importa é o planejamento financeiro correto.

    Pensar em administrar seu dinheiro desde cedo pode ser chato e maçante, mas no futuro terá uma recompensa impagável. Há passos financeiros que considero essenciais para os jovens e você pode conferir abaixo:

  • Fases financeiras da vida: Saiba como vencer cada uma delas

    grafico-da-vidaÉ difícil pensar num plano financeiro de longo prazo, a incerteza é um obstáculo para se fazer previsões. A maioria das pessoas acredita que sua vida é totalmente diferente das outras, mas a sua trajetória pode ter algumas voltas, e algumas são óbvias: trabalho, casamento, filhos e aposentadoria.

    Neste caminho, há lombadas como a perda de emprego, que requer um tratamento mais cauteloso. Em cada um desses obstáculos, você terá que refazer seus planos para se adequar a novas circunstâncias.

    Todas as etapas exigem planejamento detalhado com algumas previsões, que ajudam você a lidar com as diferentes fases da vida da melhor maneira possível.

  • 8 dicas para combater a compulsão por compras

    comprador-compulsivo-220408Comprar impulsivamente é um ato considerado normal para o ser humano, desde aquisição de objetos de baixo valor como um chaveiro até um smartphone de última geração. Mas, quando seus gastos passam de impulsivos a compulsivos, é sinal de que você pode estar com uma doença mais grave: a dependência em compras.

    Os norte-americanos são os pioneiros desta compulsão, que atinge aproximadamente 6% da população. Porém, com o crescente aumento da dívida dos brasileiros no cartão de crédito e outros meios de pagamento, não podemos “apontar o dedo” só para eles, há algum distúrbio entre os nossos compatriotas também.

    Em nosso país, a frase “bater perna” num shopping se traduz como algo divertido e engraçado, mas quando os gastos apresentam um problema real, o glamour morre e a dívida permanece.

  • Você é um comprador compulsivo?

    compras1Segundo o dicionário, os comportamentos compulsivos são hábitos aprendidos e seguidos por alguma gratificação emocional, normalmente, um alívio de ansiedade ou angústia. São hábitos que se repetem inúmeras vezes num “piscar de olhos”.

    Nos dias de hoje, uma das compulsões mais modernas é aquela relacionada a compras. No mundo moderno, as pessoas têm mais opções de compra do que nunca, do mercadinho da esquina aos grandes shoppings. A tecnologia também torna mais fácil gastar, com lojas online e aplicativos que facilitam as compra em um clique.

    A cura para a febre por compras começa na identificação do problema e na construção de novos hábitos financeiros. Por conta do número crescente de compradores compulsivos, separei um teste da ABCNews (http://abcnews.go.com/blogs/lifestyle/2012/02/quiz-are-you-a-compulsive-shopper/)  para identificar se você é ou não afetado por essa síndrome.

  • Vida financeira conjugal: como combinar finanças e relacionamento

    casais.financasO sucesso financeiro de um casal é como um navio com dois motores, se eles não funcionam no mesmo ritmo, a embarcação afunda. O resultado de não trabalhar em equipe colocará os casais numa eterna batalha e nunca chegarão à vitória financeira.

    Problemas com dinheiro sempre é um tema tabu.  A maioria dos casais não se sentem confortáveis para falar de dinheiro. Este medo de conversar sobre o assunto deriva de como fomos criados. Se você está entre seus 30 ou 40 anos, seus pais, provavelmente, não trataram do tema profundamente com você. Você foi criado numa época em que não era educado falar de dinheiro.

    Se você é recém-casado ou já mora junto com seu parceiro, o planejamento financeiro em conjunto é algo que você pode começar hoje. Quando duas pessoas trabalham juntas para alcançar um objetivo, normalmente atinge duas vezes mais rápido do que o esperado.

    Você está casado ou morando junto com seu parceiro? Continue lendo para descobrir qual o melhor método para melhorar a gestão financeira em conjunto.

  • 5 maus hábitos financeiros que devem ser evitados.

    habitosSe a sua dívida do cartão de crédito está maior do que nunca ou você não consegue administrar o seu orçamento, é hora de mudar seus hábitos. Controlar seus gastos pode ajudar, mas isso é apenas um começo.

    Para evitar uma situação em que você se sente sempre quebrado, é necessário fugir das armadilhas comuns de gastos que podem coloca-lo no buraco economicamente.

    Se você é responsável pela gestão financeira da sua família e quer parar de viver de salário em salário, o primeiro passo para sair desse buraco é parar de repetir seus maus hábitos. Confira abaixo o que você pode evitar:

  • Investidor: descubra qual é o seu perfil

    duvidaOs filmes de Hollywood deixam os telespectadores hipnotizados com os ganhos de quem investe ou trabalha no mercado financeiro. As pessoas saem do cinema com a vontade de pegar suas economias e correr para entrar nesse universo. Mas, será que você tem um perfil de investidor de risco?

    Antes de começar a sua jornada financeira é importante entender a diferença entre poupança e investimento. Um investidor disciplinado pode encontra ótimos fundos para colocar seu dinheiro, mas ser incapaz de pagar suas contas. Há uma necessidade de equilíbrio entre essas duas bases de sucesso.

  • Morar com os pais: uma oportunidade de prosperidade financeira

    QAAAANRlf6MMq5AAvIWIqEJyzTEAEvAaRFlfY2UbR2giWZQvm6-SiS9hE6xZ9I9ubHPsIuwxaeWiWS6hCyofGc1c-40Am1T1UA_Z_rpfpORHCTqLKgq1M2WU6G7yNo ano passado, o Brasil encerrou o ano com a menor taxa de desemprego da última década. Apesar da boa notícia, os jovens ainda não têm segurança financeira para sair da casa dos pais.

    Muitos jovens, entre 25 e 35 anos, ainda vivem com os pais. Um estudo do IBGE mostra que o número de jovens que moram com os pais subiu 4%, de 20,5% para 24,3%, entre 2002 e 2012. Desses, 60% são homens.

    Embora ocorram mudanças no mercado de trabalho, as pessoas ainda são muito críticas quando o assunto é jovens adultos morando com os pais. Eles são vistos como preguiçosos ou desmotivados, mesmo quando trabalham. Mas, esta não é a situação real do jovem que é sustentado pelos pais.